Câmera Câmera

No ar auto dj A MELHOR MUSICA PASSA AQUI . RB No ar auto dj A MELHOR MUSICA PASSA AQUI . RB

Recados Recados

Maia Andrade | Funchal Madeira - Solteira
Muito boa noite louctour Guerra e uma noa Emissão😘😘

Maia Andrade | Funchal Madeira - Solteira
Boa tarde loc Tó Leal boa Emissão😘😘

Maia Andrade | Funchal Madeira - Solteira
Olá muito boa tarde, desde já quero vos dar os parabéns pela maravilhosa rádio que é esta, goataria de saber como entrar em contacto convosco para assim ficar a saber a vossa programação, gostaria se possivel um vontacto visto que o do Watsap estar desatualizado, espero atentamento uma resposta, assim que vos seja possivel. Continuaçao de um feliz dia.😘😘

Fatima Guerre | Povoa de varzim - Portugal
Adoro ouvir as duas radios sempre que posso estou sempre a ouvir as radios parabens bj

Lucinda Martins | Suica - casada
ola boa tarde boa emissao para radio gostaria ouverjose malhoa vem vem cristina

dos santos nathalie | ALBI - France
Parabens radio para ouvrir i se divertir obrigados musica portuguesa 100% a melhor

Lucinda Martins | suica - casada
boa tarde vamos La boa emissao e boa musicagostaria de ouver Manuel Campos vivo a cantar

Lucinda Martins | Suica - casada
Olá gostaria ouver Marco Paulo tens dois amores obrigada beij

A LOCALIZAÇÃO DOS NOSSOS OUVINTES A LOCALIZAÇÃO DOS NOSSOS OUVINTES


Rádio Barreirinha

Galeria de Fotos Galeria de Fotos

Hora local Hora local

BLOG DA RÁDIO BARREIRINHA BLOG DA RÁDIO BARREIRINHA


                                  Blog Rádio Barreirinha

Redes Sociais Redes Sociais

FacebookWhatsAppTwitterSkypeSnapChatBlogViberFlickr

Parceiros Parceiros



                 horoscopos

Eventos Eventos



                                    ARTISTA DO MES

  



                                                                                                                                                                  Artigo de Opinião de Luísa Fonseca, Internista e Coordenadora do NEDVC

Dia Mundial do AVC assinala-se a 29 de outubro

AVC hemorrágico: pouco conhecido, mas igualmente mortal

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma emergência médica que se carateriza pela súbita diminuição do fluxo sanguíneo no cérebro, o que impede que este órgão receba o oxigénio e nutrientes necessários à sobrevivência das células cerebrais. Esta doença é atualmente a principal causa de morte e incapacidade permanente em Portugal.

Existem dois tipos de AVC, o AVC isquémico provocado pelo bloqueio/obstrução de uma artéria, vulgarmente conhecido por “trombose”, e o AVC hemorrágico, provocado pela rutura do vaso, denominado “derrame cerebral”.

O AVC hemorrágico é menos frequente e representa cerca de 15% do total dos acidentes vasculares cerebrais, sendo, no entanto, potencialmente mais grave.

Ambos requerem uma resposta rápida assim que os sinais de alerta forem percecionados, uma vez que quanto maior for o tempo entre o início do AVC e a intervenção médica, maior é a probabilidade de surgirem lesões potencialmente irreversíveis no doente.

Entre os sintomas mais comuns está um conjunto de manifestações comumente conhecido pelos “3 F’s”. São eles: a face descaída, dando uma sensação de assimetria do rosto; a diminuição da força num braço ou numa perna (ou ambos), que pode ser acompanhada por uma sensação de desequilíbrio; e a dificuldade na fala, fala arrastada, dificuldade em ter qualquer tipo de conversação ou existência de discurso pouco compreensível e sem sentido. A alteração da visão, nomeadamente a diminuição abrupta de visão num ou em ambos os olhos, uma forte dor de cabeça ou dificuldade em coordenar ou movimentos, são também sintomas frequentes. Sempre que estes sinais surgirem, deve contactar o 112 e dirigir-se ao hospital mais próximo.

Ao contrário do AVC isquémico, em que o internamento em unidades diferenciadas e os tratamentos na fase aguda (nas primeiras horas após início de sintomas) contribuíram para a diminuição de mortalidade e do grau de dependência dos doentes, no AVC hemorrágico esse efeito não se conseguiu. Os tratamentos de fase aguda não são tão eficazes e estes doentes não têm muitas vezes acesso a cuidados específicos em unidades diferenciadas.

É no sentido de combater este paradigma que o Núcleo de Estudos da Doença Vascular Cerebral (NEDVC) da Sociedade Portuguesa da Medicina Interna tem incentivado à investigação e 





As mais ouvidas As mais ouvidas

A sua opinião ! A sua opinião !

A sua opinião é importante !

player da rádio barreirinha player da rádio barreirinha

Estatísticas Estatísticas

Visitantes: 89895
Usuários online: 1

Pedidos Pedidos

Nome
Email
Cidade
Estado
Pedido

DESTAQUES DESTAQUES



                                    ARTISTA DO MES

  



                                                                                                                                                                  Artigo de Opinião de Luísa Fonseca, Internista e Coordenadora do NEDVC

Dia Mundial do AVC assinala-se a 29 de outubro

AVC hemorrágico: pouco conhecido, mas igualmente mortal

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma emergência médica que se carateriza pela súbita diminuição do fluxo sanguíneo no cérebro, o que impede que este órgão receba o oxigénio e nutrientes necessários à sobrevivência das células cerebrais. Esta doença é atualmente a principal causa de morte e incapacidade permanente em Portugal.

Existem dois tipos de AVC, o AVC isquémico provocado pelo bloqueio/obstrução de uma artéria, vulgarmente conhecido por “trombose”, e o AVC hemorrágico, provocado pela rutura do vaso, denominado “derrame cerebral”.

O AVC hemorrágico é menos frequente e representa cerca de 15% do total dos acidentes vasculares cerebrais, sendo, no entanto, potencialmente mais grave.

Ambos requerem uma resposta rápida assim que os sinais de alerta forem percecionados, uma vez que quanto maior for o tempo entre o início do AVC e a intervenção médica, maior é a probabilidade de surgirem lesões potencialmente irreversíveis no doente.

Entre os sintomas mais comuns está um conjunto de manifestações comumente conhecido pelos “3 F’s”. São eles: a face descaída, dando uma sensação de assimetria do rosto; a diminuição da força num braço ou numa perna (ou ambos), que pode ser acompanhada por uma sensação de desequilíbrio; e a dificuldade na fala, fala arrastada, dificuldade em ter qualquer tipo de conversação ou existência de discurso pouco compreensível e sem sentido. A alteração da visão, nomeadamente a diminuição abrupta de visão num ou em ambos os olhos, uma forte dor de cabeça ou dificuldade em coordenar ou movimentos, são também sintomas frequentes. Sempre que estes sinais surgirem, deve contactar o 112 e dirigir-se ao hospital mais próximo.

Ao contrário do AVC isquémico, em que o internamento em unidades diferenciadas e os tratamentos na fase aguda (nas primeiras horas após início de sintomas) contribuíram para a diminuição de mortalidade e do grau de dependência dos doentes, no AVC hemorrágico esse efeito não se conseguiu. Os tratamentos de fase aguda não são tão eficazes e estes doentes não têm muitas vezes acesso a cuidados específicos em unidades diferenciadas.

É no sentido de combater este paradigma que o Núcleo de Estudos da Doença Vascular Cerebral (NEDVC) da Sociedade Portuguesa da Medicina Interna tem incentivado à investigação e